God’s will: good, perfect and pleasant ???

Hello friends!

We,brazilians, are living in a chaotic scenario these lasts years, a real fight of egos, disguised as politic ideology.

That made me begin to think about the will of God!

How often we ask it to be fulfilled, but wishing it would be same as ours?!

The Bible tells us that His will is good, perfect and pleasing, but sometimes it is not what it SEEMS to be.

God’s will generally does not match the setting and conditions we imagined would coincide, for it would be fulfilled.

I have already told here a little bit about my story, about how I started to guide myself by God’s will, how I ended up in a mission school and then I made one of the most incredible trips of my life! (and certainly the hardest!)

When I went to this school I had a very different image in my head about how it would be, I thought: well, I’m going to a place where everyone is seeking God, a Christian environment, a very different one from everything I know.

With this also came a paradigm: that in the “christian’s scene” people are “perfect” all the time: do not make mistakes, nor are they selfish.I’m not saying I was completely disappointed!

I surely found, a very friendly and favorable environment for God’s move, I learned things that I did not imagine would worked that way and I met many inspiring and incredible people.

But,since I came from a completely different scenario, where I used to have my own space (cause I lived by myself) and doing what I wanted, when I wanted it, I soon had to face a “coexistence shock”.

Some times, I was stressed because the people who shared the house with me (during the theoretical period on a farm) were not organized and focused on cleanliness as I was.

In another moment, they complained with me, because I listened to music out loud all the time, and I did not like it.

We were also charged to perform a daily task, which in my case was cleaning the students’ homes along with a group of girls. And on a number of occasions, I felt indignant because people did not do their jobs as they agreed and then I also started to question my task: why am I going to work hard if no one cares to do their part?

Anyway, in addition to these superficial issues I also went through serious conflicts during the trip (outreach) with my group.

Often, because the girls in my room did not respect the silence at bedtime and at other times because I was charged for not being helpful in something they thought I should be doing.

On another occasions, I rebelled against the attitude of my leadership, which for me, was tottaly different when it came to dealing with me, compared to the rest of the group.

The point is: human being is full of failures and contradictions, and sometimes it is difficult to prioritize empathy.

I definitely had a hard time putting myself in another person’s shoes in many different situations. And for me, at that moment, it was because nobody was putting theirs in my place either.

Why am I talking all this?

Because many times I questioned the will of God and I asked him:

“Really God? Why did you bring me here, to get through it? I thought it would be all wonderful and nice but the truth is I’m being slaughtered here!”

The truth, my dear friends, is that in most of the time, doing the will of God hurts! It hurts because takes us out of our comfort zone and confronts our ego!

The will of God turns our certainties and concepts upside down, it makes us swim against the flow!

For me, I can say that it was difficult because I spent years believing in lies: That the world was unjust and selfish and so I should act accordingly:” why bother with people who do not care about me?”

Or ” I’m alone on this boat! I need to fight for what I want!”

I always believed, that I should revolt against everything I did not agree with, that it was the way out for me, but the truth is: in a world where everyone is already discredited in the goodness and love of human beings, seeking only for self-realization, revolt in that way is just following the flow, it is not a revolt at all!

The kingdom of God is upside down! This is very tricky, because the word of God asks us not to conform to the standards of this world! In other words, revolt! ( Romans 12:2)

But the revolt of the citizens of the Kingdom of God has nothing to do with the pattern of revolt preached by the world!

And,this kind of thought,was what I had to fight against for a long time, because I was taught by all the ways to think exactly the opposite to how God wants us to think!

It’s not about a revolt that wins things by force or externalizing frustration!

The revolt of the children of God is against hatred and indifference!

Jesus told us that we would be recognized as His people by LOVE. (John 13:35- difficult task, right?)

Turning back to the beginning, analyzing this undermined scenario in which we walk, with a polarized and increasingly enraged nation, what is our role as citizens of the Kingdom?

Make moralistic speeches? Yelling for the right to arm ourselves to defend our family? Dump hate against those who defend their ideology?

It is true that as Christians, we must be very well positioned, according to the truth of the God’s words, revealed to us!

We should not accept everything that is happening with our arms crossed, as if it was not part of our daily life.

However, I think that God sometimes allows chaos, He lets things get really messed up, before a big intervention!

But no matter what happens, He has everything under control.( So we don’t need to go crazy lol)

Our role as Christians is not just exercise our rights as citizens of this world, but most important, to exercise our duties as citizens of the Kingdom.

Citizens who win hearts by announcing the good news, which say “Hey, don’t worry, your debt has already been paid, you are free!”

People who walks with their eyes fixed on Jesus and let him do things on His way!

But this way does not come with inflamed and enraged speeches. His ways will not always be the way we want!

In fact, it will usually be the hardest way (the path that teaches us to serve instead of being served), but it will draw more of us, teaching us to be resilient.(” If anyone slaps you on the right cheek, offer the other one”)

It is time to seek more the Kingdom of God and believe that all other things will be given to us!

It is hard to be humble sometimes, and recognize our flaws and pride, but God gives us GRACE to go through it!

May our zeal to proclaim the truth of Christ be so intense and even greater than the fervor with which we defend our political ideals or our point of view!

It’s time to wake up, the greatest harvest in history is about to happen! We are called to prophesy over a valley of dry bones and see it become an army!(to read :Ezekiel 37)

******************************

Vontade deDeus: Boa,perfeita e agradável?

(Romanos 12:2)

Em meio a esse cenário caótico, que estamos vivendo no Brasil, em uma verdadeira briga de egos, disfarçados de ideologia política, eu comecei a refletir sobre a vontade de Deus!

Como, às vezes, pedimos que ela se cumpra, mas esperanfo que ela seja a mesma que a nossa!

A bíblia nos diz que Sua vontade( a de Deus) é boa perfeita e agradável, mas às vezes, NÃO é isso que PARECE.

A vontade de Deus geralmente, não coincide com o cenário e as condições que nós imaginávamos que coincidiria, para que ela se cumpra.

Eu já contei aqui um pouco da minha história, sobre como eu comecei a me guiar pela vontade de Deus, como fui parar numa escola de missões e fiz então uma das viagens mais incríveis da minha vida! (e com certeza a mais difícil!).

Quando eu fui pra essa escola eu tinha uma imagem bem diferente na minha cabeça sobre como seria, eu pensava: bom, eu vou pra um lugar onde todos estão buscando a vontade Deus, um ambiente cristão e muito diferente de tudo que eu conheço.

Com isso também veio um paradigma: de que no meio cristão as pessoas são “perfeitas”o tempo todo, que não cometem equívocos, nem são egoístas.

Não estou querendo dizer que me decepcionei completamente! Eu encontrei sim, um ambiente muito amigável e favorável ao mover de Deus, eu aprendi coisas que eu não imaginava que funcionavam daquela forma e conheci sim, muitas pessoas inspiradoras e incríveis.

Mas como eu vinha de um cenário completamente diferente, onde eu estava acostumada a ter meu espaço (eu morava sozinha) e fazer o que queria, quando eu queria, porque a casa era minha, logo eu tive um “choque de convivência”.

Em alguns momentos eu me estressei porque as pessoas que dividiam a casa comigo(durante o período teórico, que ocorreu numa fazenda) não eram tão organizadas e focadas em limpeza quanto eu.

Em outros momentos, reclamavam porque eu ouvia música alta o tempo todo, e eu não gostei da crítica.Nós também éramos cobrados a realizar uma tarefa diária, que no meu caso, era a limpeza das casas dos alunos, juntamente com um grupo de meninas.

E em várias ocasiões, eu me senti indignada porque as pessoas não desenvolviam suas tarefas conforme o combinado e então, eu também passei a questionar minha tarefa: porque eu vou ficar me matando se ninguém se importa em cumprir sua parte?

Enfim, além dessas questões superficiais eu também passei por conflitos muitos durante a viagem prática, com o meu grupo.

Muitas vezes porque as garotas do meu quarto não respeitavam o silêncio na hora de dormir e em outros momentos porque eu era cobrada por não estar ajudando em algo que elas achavam que eu devia estar fazendo.

Em outras ocasiões, eu me revoltei com a postura da minha liderança, que pra mim era diferente quando se tratava de lidar comigo, em relação ao resto do grupo.

O ponto é: o ser humano é cheio de falhas e contradições, e por vezes é difícil priorizar a empatia.

Eu mesma tive muita dificuldade em me colocar no lugar do outro em diversas situações, e pra mim,naquele momento, era porque ninguém estava se colocando no meu também.

Por que eu estou falando tudo isso? Porque muitas vezes eu questionei a vontade de Deus! Eu perguntava: “sério Deus? Por que você me trouxe aqui, pra passar por isso? Eu pensei que seria tudo lindo e harmonioso, mas a verdade é que to sendo massacrada aqui!”

A verdade, meus queridos, é que na maioria das vezes, fazer a vontade de Deus dói! Dói porque nos tira da nossa zona de conforto e confronta o nosso ego!

A vontade de Deus vira as nossas certezas e conceitos de cabeça pra baixo, ela nos faz nadar contra a correnteza!

Por mim, eu posso dizer que foi difícil porque eu passei anos acreditando em mentiras: que o mundo era injusto e egoísta e por isso eu deveria agir de acordo, por que me preocupar com pessoas que não estão nem aí pra mim?

Eu to sozinha nesse barco! Eu tenho que brigar pelo que eu quero!

Eu sempre acreditei que, se revoltar contra tudo que eu não concordava era a saída pra mim, mas a verdade é que, num mundo em que todos já estão desacreditados na bondade e na empatia dos seres humanos, e estão buscando somente a própria realização, o “se revoltar” é, na verdade, só seguir o fluxo, não é uma revolta!

O reino de Deus é de ponta cabeça! Isso é muito louco, porque a palavra de Deus nos pede para não nos conformar com os padrões deste mundo! Ou seja, revolte-se!

Mas a revolta dos cidadãos do Reino de Deus não tem nada a ver com o padrão de revolta pregado pelo mundo! E foi com esse pensamento que eu tive que lutar por muito tempo, porque eu fui ensinada de todos os lados a pensar exatamente de forma contrária a como Deus deseja que pensemos!

A palavra não fala sobre uma revolta que ganha as coisas pela força ou pela frustração extravasada!

A revolta dos filhos de Deus é contra o ódio e a indiferença e Jesus nos disse que seríamos reconhecidos como seu povo pelo AMOR. (João 13:35- tarefa difícil né?)

E, voltando ao início, analisando esse cenário minado em que caminhamos, com uma nação polarizada e cada vez mais enraivecida, qual é o nosso papel como cidadãos do Reino?

Fazer discursos moralistas ou gritar pelo direito de se armar para defender nossa família?

Despejar ódio contra os que defendem sua ideologia?

É verdade que, como cristãos devemos estar muito bem posicionados de acordo com a verdade que a Palavra nos revela, não devemos aceitar tudo que está acontecendo de braços cruzados, como se isso não fizesse parte do nosso cotidiano.

Mas o que eu penso é que, Deus, às vezes, permite o caos. Ele permite que as coisas fiquem realmente ruins antes de intervir. Mas não importa o que aconteça, Ele tem tudo sob controle.( Logo, não precisamos enlouquecer! rs)

Nosso papel como cristãos é exercer sim, nossos direitos como cidadãos nesse mundo, mas acima de tudo, exercermos nossa função como cidadãos do Reino.

Cidadãos que ganham corações pelo anúncio das boas-novas, que dizem “ei, não se preocupe, sua dívida já foi paga, você é livre!”, que caminham com os olhos fixos em Jesus e deixa que ele faça as coisas à Sua maneira!

Só que essa maneira não vem com discursos inflamados, cheios de raiva.

E nem sempre vai ser pelo caminho que desejamos, pelo contrário, geralmente vai ser pelo percurso mais difícil ( o caminho que nos ensina a servir ao invés de ser servido), mas que vai extrair mais de nós, nos ensinar mais.( “Ofereça a outra face!”)

É tempo de buscarmos mais o Reino de Deus e acreditar que todas as outras coisas nos serão acrescentadas!

É difícil ser humilde às vezes, reconhecendo nossas falhas e o orgulho. Mas o Senhor nos concede graça pra enfrentar todos os momentos!

Que o nosso fervor pra anunciar a verdade de Cristo seja tão intenso e até maior do que o fervor com o qual defendemos nossos ideais políticos e nosso ponto de vista!

É tempo de despertar, a maior colheita da história está pra acontecer! Somos chamados para profetizar sobre um vale de ossos secos e vê-lo se transformar num exército! (Ezequiel 37)

Pra ler ouvindo: “Guerra-Os Arrais” =)*************************************************************************************

My history (part 2: DTS- Discipleship training school)

( If you are curious about part 1 of my testimony, read here!)

So, after I finished all the process and overcame the struggles, I finally  embarked on this journey.! On February 5, I traveled to São Paulo to meet the DTS crew, at the meetingpoint: Mount Zion Church. There I started to get to know better the other students.

I remember that right there, in the first contact, I already received a word about my life and future days, which involved knowing more deeply the scriptures and how God would use that for His plans!

It was amazing to hear this for the first time, because I was expecting so much about this experience and, hearing that, made me understand some things, including my hunger for the bible (I had read the entire bible in the last 3 months that preceded this trip).

On the bus, I remember that everyone was very excited and Frenchie, one of the staffs, started talking to us about his story and at one point he asked each of us to get up and declare something we would like to be fulfilled in the future! It was very exciting!

There were statements of healing and salvation over cities and nations, ministries in which people would like to act by, being declared.

When it came to me I remember saying: I declare that one day I will have a music band to announce Jesus, formed only by women! I do not even know why I wanted this so much, since I never played any instrument (although I’m passionate about guitar!)

And I also do not sing lol. So imagine you, this actually seemed like a total wander, but God knows all things.

Then, after everyone had finished speaking, the staff, Frenchie, said: “just passed a bus here on the side written ‘making dreams come true’. Wow, everyone was amused!

For most people, of course, believing this would be crazy, but for those who know how God acts, it could be considered a signal.( a really cool one, by the way!)

Anyway, when I got there I was super excited! The first few days were amazing and God gave me several words through the staffs that were there (the staffs were a DTS leadership team).

It was very encouraging for me because I was not used to nothing like that, I did not even know how to listen to God´s voice, I still had many misconceptions about this subject (and a lot was demystified for me in these months of DTS)

Most of the time I spent in this farm, I felt very good, super excited and hungry for God. I wanted to absorb everything and the classes were incredible!

We have received several YWAM leaders from Kona and people involved in the most diverse ministries, both inside and outside the YWAM comunity.

In these classes we learned more about how to listen to the voice of God, how to spend more time with Jesus and make him our best friend, how to speak about Jesus to people in a simple and objective way, those teachings was very good for my development.

Because, after all, I did not know anything before I got there, I had just given my life to Jesus(few months before) and this opportunity helped  me to learn many things about relationship with God and how he acts (although this is impossible to delimit, God acts in infinite ways!)

I remember that during those months, the school leader also asked us to read the story of Lorren Cunningham and the beginning of YWAM in the world.

This book made all the difference in my life! (not making a propaganda, but it’s true) it clearly shows the learning process of this man and his difficulties, as he learned to hear the voice of God and do His will, often making mistakes, of course.

This book also makes it clear: that if we persist in doing God’s will, He helps us in the process and he is patient with our mistakes and stumbles. It shows that  the closer we get, the easier it gets to hear His voice and do the that He asks of us.

But, not everything is a “piece of cake” in Christian´s life, is quite the opposite. I also had difficulties during this period. I often felt rejected or excluded.

I had days that I faced a hard time interacting with people, including from my travel group to Nepal. And I spent some confined times in my room, trying to hide myself from the world and denying my struggles.

After discovering that I was going to Nepal (each of us could chose 3 countries as options and write on a paper, after a few days, we received the answer!), I started to have “team time” with the people who would travel with me and we started to get to know each other better and share our experiences.

It was not easy for me, first because, I never liked to expose myself to strangers  and second because, if I feel that I cannot “trust” someone, simply because I did not like something in this person, everything gets more difficult when it comes to relating.

Unfortunately, this happened even in relation to my leader. I had a meeting with her once in a week to talk about my difficulties and development, and I had a hard time opening up and talking about my deepest feelings and problems. I’ve always been like this, kind of defensive, and that’s a barrier in my relationship with people.

However, God began to work on me, during this period, beginning to treat my rejection issues and related wounds, that have always influenced my personality.

In the middle of this process, I experienced my first “supernatural” experience with God,  He took me to a place and showed me how I saw myself.

He told me, after I told this experience to a friend, that he was healing me from this distorted view of myself! (He handed me the interpretation through her.)

I do not know if I can detail everything I’ve experienced in this season, but I’ll try, continuing to count in parts!

So, see you next time!

******************************************************************

Quem me dera ser um pouco
Melhor no que eu tenho que dizer

E talvez assim, eu conseguisse
Pedir ajuda mais cedo

E não gastaria, o tempo tentando
Provar pra ninguém o que eu sou
E o que eu não sou

Quem foi o primeiro a me contar
Tantas mentiras que eu resolvi acreditar
Enquanto eu carregava o peso que eu achava ser só meu,

mas não, você fez enxergar
O que eu mereceria
Resolveu me dizer que o peso
O peso não é só meu ( Amen Jr-  O peso não é só meu)

Então, depois de todo aquele processo e lutas, eu finalmente embarquei nessa jornada!

No dia 05 de fevereiro, eu viajei pra São Paulo, pra encontrar a galera do DTS no ponto de embarque,na Igreja Monte Sião. Lá já comecei a tentar me enturmar e conhecer a galera. Me lembro que ali mesmo,no primeiro contato, já recebi uma palavra sobre a minha vida e dias futuros, que envolvia conhecer mais profundamente as escrituras!

Foi incrível ouvir isso pela primeira vez, porque eu estava com muitas expectativas sobre esse tempo que eu passaria no DTS, e ouvir aquilo, me fez entender algumas coisas, inclusive minha fome pela bíblia (eu tinha lido a bíblia inteira nos últimos 3 meses que precederam essa viagem).

No ônibus, eu me lembro que todo mundo tava muito animado e o Frenchie, um dos staffs, começou a falar com a gente sobre a história dele e em um determinado momento ele pediu pra que cada um de nós se levantasse e declarasse algo que nós gostaríamos que se cumprisse no futuro!

Foi muito emocionante! Havia declarações de cura e salvação sobre cidades e nações, ministérios em que as pessoas gostariam de atuar, sendo declarados.

E, quando chegou a minha vez me lembro de ter dito: eu declaro que um dia terei uma banda pra anunciar Jesus, formada só por mulheres! Nem sei porque eu queria tanto isso, já que eu nunca toquei instrumento algum( embora eu seja apaixonada por guitarra!) e também não canto rs.

Então imaginem, na verdade isso pareceu uma viagem total, mas Deus sabe de todas as coisas. Logo depois, quando todo mundo terminou de falar, o staff que estava a frente disse: acabou de passar um ônibus aqui do nosso lado e tava  escrito “realizando sonhos” hahahhaha todo mundo ficou em êxtase.

Claro que, pra maioria das pessoas, acreditar nisso seria loucura, mas pra quem conhece como Deus age, isso poderia sim ser considerado um sinal.

Enfim, quando cheguei lá eu tava super animada, os primeiros dias foram incríveis e Deus me entregou várias palavras através dos staffs que estavam lá (os staffs eram um time da liderança do DTS). Foi bem encorajador pra mim, porque eu não estava acostumada com nada disso, eu nem sabia como ouvir a voz de Deus direito, eu ainda tinha muitas idéias erradas envolvendo esse assunto.( e muita coisa foi desmistificada pra mim, nesses meses de DTS)

Na maior parte do tempo que passei nessa fazenda eu me senti muito bem, super animada e com fome de Deus, queria absorver tudo e as aulas eram incríveis! Recebemos vários líderes da Jocum de Kona e pessoas envolvidas nos mais diferentes ministérios, dentro e fora da Jocum (YWAN).

Nessas aulas aprendemos mais sobre como ouvir a voz de Deus, como passar mais tempo com Jesus e fazer dele nosso melhor amigo, como falar de Jesus pras pessoas de uma forma simples e objetiva; foi muito bom pro meu desenvolvimento.

Afinal, eu não sabia de nada, eu tinha acabado de entregar a minha vida pra Jesus e aprendi muitas coisas sobre relacionamento com Deus e a forma como ele age (embora isso seja impossível de delimitar, Deus age de formas infinitas!).

Lembro que nesse período, a líder da escola também pediu que a gente lesse a história do Lorren Cunhighan e do início da Jocum no mundo. Esse livro fez toda diferença na minha vida! ( não to fazendo propaganda, mas é verdade) ele mostra claramente  o processo de aprendizagem  desse homem e suas dificuldades , como ele aprendeu a ouvir a voz de Deus e fazer a Sua vontade, errando muitas vezes, é claro.

Esse livro deixa evidente que, se nós persistimos em fazer a vontade de Deus, Ele nos ajuda no processo e é extremante paciente com nossos erros e tropeços e que, quanto mais nos aproximamos, mais fácil fica de ouvir Sua voz e fazer o que Ele nos pede (o título em português é “Fala Senhor, estou ouvindo”).

Mas, nem tudo são flores na vida do cristão, muito pelo contrário. Eu também tive muitas dificuldades nesse período. Muitas vezes me sentia rejeitada ou excluída, tinha dias que eu tinha muita dificuldade em interagir com o pessoal, inclusive do meu grupo de viagem pro Nepal. E passei algumas tardes confinadas no meu quarto, tentando me esconder do mundo e negando meu problema.

Depois de descobrir que eu ia pro Nepal (cada um de nós pôde colocar 3 países como opção num papel e após alguns dias, recebemos a resposta!), eu passei a ter “ tempo de time” com o pessoal que ia viajar comigo e com isso passamos a nos conhecer melhor e dividir nossas experiências.

Não foi fácil pra mim, primeiro porque eu nunca gostei de me expor e segundo porque, se eu cismo que não posso “confiar” em alguém, simplesmente porque não fui com a cara dessa pessoa, tudo fica mais difícil na hora de me relacionar.

E, infelizmente, isso aconteceu inclusive em relação à minha líder. Eu tinha reunião com ela,uma vez por semana, pra falar sobre minhas dificuldades e desenvolvimento, e eu tinha muita dificuldade em me abrir e falar de coisas mais profundas. Eu sempre fui assim, meio na defensiva, e isso sempre foi uma barreira no meu relacionamento com as pessoas.

No entanto, Deus começou a trabalhar em mim durante esse período, começou a tratar minhas feridas relacionadas a rejeição e que sempre influenciaram minha personalidade.

Inclusive foi nesse tratamento vindo de Deus, que vivi minha primeira experiência “sobrenatural” com Ele.  Eu fui levada prum lugar diferente e lá, ele me mostrou como eu me via. Ele me disse, depois de eu contar essa experiência pra uma amiga, que ele estava me curando dessa visão distorcida de mim mesma! ( Ele me  entregou a interpretação através dela.)

Não sei se consigo detalhar tudo que eu vivi nesse período, mas vou tentar, continuando a contar em partes….até lá!

********************************************************************************

“Eu olhei a tristeza nos olhos e sorri….”

(Expectativas, ansiedade, vontade de Deus e o silêncio…)

Faz 3 meses que eu voltei de umas das experiências mais incríveis e desafiadoras  da minha vida (e eu tô numa ansiedade só!)

Depois de passar 5 meses focando no propósito de Deus ,aprendendo a ouvir a Sua voz, interagindo com Ele e a entendendo a Sua vontade; depois de ser desafiada a me deixar moldar pela identidade de Cristo e claro, falhar inúmeras vezes nesse processo, agora eu enfrento outra luta: esperar em Deus, até que ele revele sua vontade e direção.

Eu tenho “complexo de Marta” (inventei isso agora!), ou seja, eu preciso estar sempre fazendo alguma coisa, para me sentir útil e para sentir que eu to no caminho certo! Descansar e esperar nunca foram meus pontos fortes, fazer isso em Deus então, nem se fala!

Depois de viver experiências intensas, boas e ruins, durante esse período em que eu passei no DTS (Discipleship Training School- uma escola de treinamento de discipulado e missões), que me fizeram crescer e também analisar muitas coisas sobre mim mesma e minha identidade, eu entrei numa fase que é como “estar de molho”.

Eu não sei se Deus me deu esse tempo para refletir e me curar, de algumas coisas que aconteceram ou se foi para me aprofundar em intimidade com Ele e também para “descansar” até que a próxima fase venha ( acho que na verdade, é tudo isso junto) ou se,na verdade, eu já to meio perdida mesmo!rs

O fato é que, não saber o que eu devo fazer agora e ter que esperar, às vezes, me tira do sério! Eu sei que, de certa forma, Jesus esta me dando uma oportunidade de simplesmente me sentar aos seus pés e aproveitar de sua companhia,ouvir sua voz. Mas, ao invés de ser Maria, e aceitar essa oportunidade com alegria, eu muitas vezes me sinto mais como Marta, e quero focar em FAZER, ao invés de SER.

Por outro lado, eu entendo que firmar os alicerces é a parte mais importante de toda a construção, e eu sinto que Deus esta fazendo isso comigo,nesse momento.  Ele tem me dado o tempo e a oportunidade de simplesmente descansar e passar mais tempo com Ele e, eu, na maior parte do tempo, aprecio isso. Mas tem dias que eu simplesmente quero surtar!

Eu vejo todas as pessoas que estão trabalhando no seu propósito e estão “em evidência” e, às vezes, me bate uma insatisfação sabe? Porque eu queria estar lá! Eu queria estar fazendo algo de útil ao invés de estar “só” passando tempo com Deus!

Mas eu sei que, construir meus alicerces e uma identidade firmada em Cristo é fundamental pra tudo que eu quiser realizar, eu sei disso! Mas, em diversas ocasiões, me faltam paciência e gratidão para passar por esse processo. É difícil!

Contudo, no fim do dia, o que me resta é me prostrar aos pés de Jesus e pedir perdão por ter um coração tão falho e um ego tão insolente, que quer sempre dar as ordens, ao invés de se submeter.

Mas eu não desisto, coloco minha fé e minha identidade sob a autoridade de Cristo. A caminhada continua….

“Qualquer que vem a mim e ouve as minhas palavras, e as observa, eu vos mostrarei a quem é semelhante:
É semelhante ao homem que edificou uma casa, e cavou, e abriu bem fundo, e pôs os alicerces sobre a rocha; e, vindo a enchente, bateu com ímpeto a corrente naquela casa, e não a pôde abalar, porque estava fundada sobre a rocha.
Mas o que ouve e não pratica é semelhante ao homem que edificou uma casa sobre terra, sem alicerces, na qual bateu com ímpeto a corrente, e logo caiu; e foi grande a ruína daquela casa.” Lucas 6:47,48,49

Música do título: ” 17 de janeiro” Os Arrais
********************************************************************************
Expectations, anxiety, God’s will and silence: the perfect recipe to freak out! lol

It’s been 3 months since I came back from one of the most incredible and challenging experiences of my life (and I am feeling sad about it!)

After spending 5 months focusing on God’s purpose, learning to listen to His voice, to interact with Him and to understand His will; after being challenged to let myself be molded by the identity of Christ and of course, failing countless times in this process, I now face another kind of struggle: wait on God, until he reveals his will and direction to me.

I have “Martha’s complex” (I made it up,just now!lol), in other words, I need to be always doing something, to feel useful and to feel that I’m on the right track! To rest and to wait have never been my strengths, not to mention to do this, based on God!

After I lived theses intense experiences, good and bad, during that time I spent at DTS (Discipleship Training School), which made me grow up and also analyze many things about myself and my identity, now I am going into a “activity restriction” phase.

I do not know if God has given me this time to reflect and heal myself, of some things that have happened on DTS, or to go  deeper in intimacy with Him and also to “rest” until the next phase comes (I think in fact, is all this together ) or if, in fact, I’m really lost now!

The thing is, not knowing what I should do now and having to wait, sometimes makes me freak out! I know that, somehow, Jesus is giving me an opportunity to simply sit at his feet, enjoy his company and hear his voice. But instead of being Mary, and accept this opportunity gratefully, I often feel more like Martha,anxious, and I want to focus on DOING, instead of BEING.

On the other hand, I understand that laying the foundations is the most important part of the whole construction, and I feel God is doing this to me at this point. He has given me an opportunity to simply rest and spend more time with Him, and, most of the time, I appreciate it. But there are days that I just want to burst!

I see all these people who are working on their purpose and are “in evidence”, and sometimes it hits me and I feel uncomfortable, you know? Because I want to be there! I want to do something useful instead of being “just” spending time with God!

But I know that, building my foundations and an identity established in Christ, is the most important thing to do for everything I want to accomplish, I know that! But I often lack the patience and gratitude to go through this process. It’s hard.

In the end of the day, all I have to do is to prostrate myself at the feet of Jesus and ask for forgiveness for having such a flawed heart and such an insolent ego that always wants to give orders instead of submitting. But I do not give up; I place my faith and my identity under the authority of Christ. And I move on…

47.”As for everyone who comes to me and hears my words and puts them into practice, I will show you what they are like. 48They are like a man building a house, who dug down deep and laid the foundation on rock. When a flood came, the torrent struck that house but could not shake it, because it was well built. 49 But the one who hears my words and does not put them into practice is like a man who built a house on the ground without a foundation. The moment the torrent struck that house, it collapsed and its destruction was complete.” Luke 6:47-49