Screwtape proposes a toast! (part 2)

“These, then, are two welcome phenomena. First, the abundance of our captures: however tasteless our fare, we are in no danger of famine. And secondly, the triumph: the skill of our Tempters has never stood higher. But the third moral, which I have not yet drawn, is themost important of all.


The sort of souls on whose despair and ruin we have — well, I won’t say feasted, but at any rate subsisted — tonight are increasing in numbers and will continue to increase. Our advices from Lower Command assure us that this is so; our directives warn us to orient all our tactics in view of this situation.

The “great” sinners, those in whom vivid and genial passions have been pushed beyond the bounds and in whom an immense concentration of will has been devoted to objects which the Enemy abhors, will not disappear. But they will grow rarer.

Our catches will be ever more numerous; but they will consist increasingly of trash — trash which we should once have thrown to Cerberus and the hellhounds as unfit for diabolical consumption.


And there are two things I want you to understand about this: First,that however depressing it might seem, it is really a change for the better. And secondly, I would draw your attention to the means by which it has been brought about.


It is a change for the better. The great (and toothsome) sinners are made out of the very same material as those horrible phenomena the great Saints. The virtual disappearance of such material may mean insipid meals for us. But is it not utter frustration and famine for the Enemy? He did not create the humans — He did not become one of them and die among them by torture — in order to produce candidates for Limbo, “failed” humans. He wanted to make them Saints; gods; things like Himself.

Is the dullness of your present fare not a very small price to pay for the delicious knowledge that His whole great experiment is petering out? But not only that. As
the great sinners grow fewer, and the majority lose all individuality, the great sinners become far more effective agents for us. Every dictator or even demagogue — almost every film star or crooner — can now draw tens of thousands of the human sheep with him.

They give themselves (what there is of them) to him; in him, to us. There
may come a time when we shall have no need to bother about individual temptation at all, except for the few. Catch the bellwether, and his whole flock comes after him.
But do you realize how we have succeeded in reducing so many of the human race to the level of ciphers? This has not come about by accident. It has been our answer — and a magnificent answer it is — to one of the most serious challenges we ever had to face.

Let me recall to your minds what the human situation was in the latter half of the nineteenth century — the period at which I ceased to be a practising Tempter and was rewarded with an administrative post. The great movement toward liberty and equality among men had by then borne solid fruits and grown mature. Slavery had been abolished.

The American War of Independence had been won. The French Revolution had succeeded. In that movement there had originally been many elements which
were in our favour. Much Atheism, much Anticlericalism, much envy and thirst for revenge, even some (rather absurd) attempts to revive Paganism, were mixed in it.

It was not easy to determine what our own attitude should be. On the one hand it was a bitter blow to us — it still is — that any sort of men who had been hungry should be fed or any who had long worn chains should have them struck off. But on the other hand, there was in the movement so much rejection of faith, so much materialism, secularism, and hatred, that we felt we were bound to encourage it.
But by the latter part of the century the situation was much simpler, and also much more ominous. In the English sector (where I saw most of my front-line service) a horrible thing had happened.

The Enemy, with His usual sleight of hand, had largely appropriated this progressive or liberalizing movement and perverted it to His own ends. Very little of its old anti-Christianity remained. The dangerous phenomenon called Christian Socialism was rampant. Factory owners of the good old type who grew rich on sweated labor, instead of being assassinated by their workpeople — we could have used that — were being frowned upon by their own class.

The rich were increasingly giving up their powers, not in the face of revolution and compulsion, but in obedience to their own consciences. As for the poor who benefited by this, they were behaving in a most disappointing fashion. Instead of using their new liberties — as we reasonably hoped and expected — for massacre, rape, and looting, or even for perpetual intoxication, they were perversely engaged in becoming cleaner, more orderly, more thrifty, better educated, and even more virtuous.


Believe me, gentledevils, the threat of something like a really healthy state of society seemed then perfectly serious. Thanks to Our Father Below, the threat was averted. Our counterattack was on two levels. On the deepest level our leaders contrived to call into full life an element which had been implicit in the movement from its earliest days. Hidden in the heart of this striving for Liberty there was also a deep hatred of personal freedom.

That invaluable man, Rousseau, first revealed it. In his perfect democracy, only the state religion is permitted, slavery is restored, and the individual is told that he has really willed (though he didn’t know it) whatever the Government tells him to do. From that starting point, via Hegel (another indispensable propagandist on our side), we easily contrived both the Nazi and the Communist state. Even in England
we were pretty successful.

I heard the other day that in that country a man could not, without a permit, cut down his own tree with his own axe, make it into planks with his own saw, and use the planks to build a toolshed in his own garden.


Such was our counterattack on one level. You, who are mere beginners, will not be entrusted with work of that kind. You will be attached as Tempters to private persons. Against them, or through them, our counterattack takes a different form.


Democracy is the word with which you must lead them by the nose. The good work which our philological experts have already done in the corruption of human language makes it unnecessary to warn you that they should never be allowed to give this word a clear and definable meaning. They won’t. It will never occur to them that democracy is properly the name of a political system, even a system of voting,
and that this has only the most remote and tenuous connection with what you are trying to sell them.

Nor of course must they ever be allowed to raise Aristotle’s question: whether “democratic behaviour” means the behaviour that democracies like or the behaviour that will preserve a democracy. For if they did, it could hardly fail to occur to them that these need not be the same.


You are to use the word purely as an incantation; if you like, purely for its selling power. It is a name they venerate. And of course it is connected with the political ideal that men should be equally treated.

You then, make a stealthy transition in their minds from this political ideal to a factual belief that all men are equal. Especially the man you are working on. As a result you can use the word democracy to sanction in his thought the most degrading (and also the least enjoyable) of human feelings.

You can get him to practise, not only without shame but with a positive glow of self-approval, conduct which, if undefended by the magic word, would be universally derided.The feeling I mean is of course that which prompts a man to say I’m as good as you.

The first and most obvious advantage is that you thus induce him to enthrone at the centre of his life a good, solid, resounding lie. I don’t mean merely that his statement is false in fact, that he is no more equal to everyone he meets in kindness, honesty, and good sense than in height or waist measurement. I mean that he does not believe it himself. No man who says I’m as good as you believes it. He would not say it if he did.

The St. Bernard never says it to the toy dog, nor the scholar to the dunce, nor the employable to the bum, nor the pretty woman to the plain. The claim to equality, outside the strictly political field, is made only by those who feel themselves to
be in some way inferior. What it expresses is precisely the itching, smarting, writhing awareness of an inferiority which the patient refuses to accept.

And therefore resents. Yes, and therefore resents every kind of superiority in others; denigrates it; wishes its annihilation. Presently he suspects every mere difference of being a claim to superiority.


No one must be different from himself in voice, clothes, manners, recreations, choice of food: “Here is someone who speaks English rather more clearly and euphoniously than I — it must be a vile, upstage, lah-di-dah affectation. Here’s a fellow who says he doesn’t like hot dogs — thinks himself too good for them, no doubt. Here’s a man who hasn’t turned on the jukebox — he’s one of those goddamn highbrows and is doing it to show off. If they were honest-to-God all-right Joes they’d be like me. They’ve no business to be different. It’s undemocratic.

I think that is amazing, and at the same time, scary (but not surprising, at all) how a literary composition written in the 1940’s can be so relevant and actual, for our present time! Good night friends! I hope you’ve enjoyed it!

******************************************************************************

“Maldanado propõe um brinde!” (Parte 2- C S Lewis)

Boa noite pessoas!

Hoje, eu deixo pra vocês esse trecho, que eu considero uma obra-prima do C S Lewis, incluso no livro “Cartas de um diabo ao seu aprendiz”! Acho incrível (mas nem um pouco surpreendente) como algo que foi escrito na década de 1940 pode nos soar tão assustadoramente atual. Deleitem-se =)

“Esses são dois fenômenos bem-vindos. Primeiro, a abundância de nossas capturas: por mais insípida que seja nosso cardápio, não estamos em perigo de fome. E segundo, o triunfo: a habilidade de nossos tentadores nunca foi tão alta. Mas a terceira moral, que ainda não desenhei, é a mais importante de todas.


O tipo de alma em cujo desespero e ruína temos – bem, não vou dizer que festejamos, mas de qualquer maneira subsistimos – hoje à noite são aumentando em número e continuará a aumentar. Nossos conselheiros do Baixo Comando nos garantem que é assim; nossas diretrizes nos alertam para orientar todas as nossas táticas diante dessa situação.

Os “grandes” pecadores, aqueles em quem paixões vívidas e geniais foram empurradas para além dos limites e em quem uma imensa concentração de vontade foi dedicada a objetos que o Inimigo abomina, não desaparecerão de todo. Mas eles vão se tornar mais raros. Nossas capturas serão cada vez mais numerosas; mas eles consistirão cada vez mais em lixo- lixo que deveríamos ter jogado para Cerberus e os cães do inferno como impróprios para consumo diabólico.


E há duas coisas que eu gostaria que vocês entendessem sobre isso: Primeiro, por mais deprimente que pareça , é realmente uma mudança para melhor. E em segundo lugar, gostaria de chamar sua atenção para os meios pelos quais isso foi feito.
É uma mudança para melhor. Os grandes (e deliciosos) pecadores são feitos do mesmo material que aqueles horríveis fenômenos, os grandes Santos.

O desaparecimento virtual desse tipo de material pode significar refeições insípidas para nós. Mas será que não significa também total frustração e fome para o Inimigo? Ele não criou os humanos – ele não se tornou um deles e morreu entre eles, torturado – para produzir candidatos ao Limbo, humanos “fracassados”. Ele queria torná-los santos; deuses; seres como ele mesmo.

A monotonia da sua tarefa atual não é um preço muito pequeno a pagar, pelo delicioso conhecimento de que todo o seu grande experimento está acabando? Mas não só isso.

À medida que os grandes pecadores crescem menos, e a maioria perde toda a individualidade, os grandes pecadores se tornam agentes muito mais eficazes para nós. Todo ditador ou mesmo um demagogo – quase toda estrela de cinema ou cantor – agora pode atrair dezenas de milhares de ovelhas humanas consigo.

Elas se entregam (ou melhor, o que sobrou delas) a qualquer um deles; e por cada um deles, a nós. Pode chegar um momento em que não precisaremos nos preocupar com a tentação individual, exceto em alguns casos. Capture o “flautista mágico”, e todo o seu rebanho vem atrás dele.

Mas vocês percebem como conseguimos reduzir a raça humana ao nível das cifras? Isso não aconteceu por acidente. Foi a nossa resposta – e uma resposta magnífica – a um dos desafios mais sérios que já enfrentamo

Deixe-me lembrá-los, por um momento, qual era a situação humana na segunda metade do século XIX – o período em que deixei de ser um Temtador praticante e fui recompensado com um cargo administrativo. O grande movimento em direção à liberdade e igualdade entre os homens produziu frutos sólidos e amadureceu. A escravidão havia sido abolida.

A Guerra da Independência Americana havia sido vencida. A Revolução Francesa teve sucesso. Nesse movimento, originalmente havia muitos elementos que estavam a nosso favor. Muito ateísmo, muito anticlericalismo, muita inveja e sede de vingança, mesmo algumas tentativas (bastante absurdas) de reviver o paganismo, estavam misturadas nele.

Não foi fácil determinar qual deveria ser nossa atitude. Por um lado, foi um duro golpe para nós – ainda é – assistir qualquer tipo de homem que estivesse com fome sendo alimentado ou qualquer um que usasse correntes há muito tempo, sendo libertado.

Mas, por outro lado, havia no movimento tanta rejeição da fé, tanto materialismo, secularismo e ódio que achamos que éramos obrigados a incentivá-lo. Mas na última parte do século, a situação estava muito mais simples e também muito mais ameaçadora. No setor inglês (onde eu vi a maioria dos meus serviços de linha de frente), uma coisa horrível aconteceu.

O Inimigo, com seu ardiloso costume habitual, se apropriara amplamente desse movimento progressista ou libertador e o pervertera para Seus próprios fins. Muito pouco de seu antigo anti-cristianismo permaneceu. O perigoso fenômeno chamado socialismo cristão era galopante.

Os proprietários de fábricas, do bom e velho tipo, que enriqueciam com o trabalho suado, em vez de serem assassinados por seus trabalhadores – nós poderíamos ter usado isso – estavam sendo mal vistos por sua própria classe.

Os ricos estavam cada vez mais desistindo de seus poderes, não em face da revolução e compulsão, mas em obediência à própria consciência. Quanto aos pobres que se beneficiaram com isso, eles estavam se comportando da maneira mais decepcionante.

Em vez de usar suas novas liberdades – como críamos e esperávamos – para massacres, estupros e saques, ou mesmo para intoxicação perpétua, eles estavam perversamente empenhados em tornar-se mais limpos, mais organizados, mais econômicos, mais educados e até mais virtuosos.


Creiam em mim, gentis-demônios, a ameaça de algo como um estado realmente saudável da sociedade parecia então perfeitamente possível. Graças a Nosso Pai Abaixo, a ameaça foi evitada. Nosso contra-ataque foi em dois níveis. No nível mais profundo, nossos líderes conseguiram levar à vida plena um elemento que estava implícito no movimento desde seus primeiros dias. Escondido no coração dessa luta pela liberdade, havia também um profundo ódio pela liberdade individual.

Aquele homem inestimável, Rousseau, foi o primeiro a revelar isso. Em sua perfeita democracia, apenas a religião do Estado é permitida, a escravidão é restaurada e o indivíduo é informado de que, o que ele realmente desejava (embora não o soubesse) era que o governo dissesse a ele o que fazer. A partir desse ponto de partida, via Hegel (outro propagandista indispensável do nosso lado), facilmente inventamos o estado nazista e o comunista.

Mesmo na Inglaterra, tivemos muito sucesso. Ouvi outro dia que naquele país um homem não podia, sem permissão, cortar sua própria árvore com seu próprio machado, transformá-la em tábuas com sua própria serra e usá-las para construir um depósito de ferramentas em seu próprio jardim.


Esse foi o nosso contra-ataque em um nível. Vocês, que são meros iniciantes, não serão encarregados de trabalhos desse tipo. Vocês serão designados como tentadores a pessoas particulares. Contra eles, ou através deles, nosso contra-ataque assume uma forma diferente.


Democracia é a palavra com a qual vocês devem levá-los pelo cabresto. O bom trabalho que nossos especialistas em filologia já fizeram na corrupção da linguagem humana torna desnecessário avisá-lo de que eles nunca devem dar a essa palavra um significado claro e definível. Eles não poderiam. Nunca lhes ocorrerá que democracia é propriamente o nome de um sistema político de votação, e que isso tem apenas uma tênue conexão com o que vocês estão tentando lhes vender.

É claro que eles nunca devem ter permissão para levantar a questão de Aristóteles: se “comportamento democrático” significa o comportamento que as democracias gostam ou o comportamento que vai preservar a democracia. Pois, se o fizerem, dificilmente deixaria de lhes ocorrer que essas coisas não precisam ser iguais.


Vocês devem usar a palavra puramente como encantamento; se quiser, puramente pelo seu poder de venda. É um nome que eles veneram. E, é claro, está relacionado ao ideal político de que os homens devem ser tratados igualmente. E vocês então,deveriam fazer transição furtiva em suas mentes desse ideal político para uma crença factual de que todos os homens são realmente iguais. Especialmente aqueles homens que vocês estiverem manipulando.

Como resultado, vocês podem usar a palavra democracia para sancionar em seu pensamento o mais degradante (e também o menos agradável) dos sentimentos humanos. Vocês devem fazê-los praticar, não apenas sem vergonha, mas com um brilho positivo de auto-aprovação, uma conduta que, se não for defendida pela palavra mágica, seria ridicularizada universalmente. O sentimento que quero dizer é, obviamente, o que leva o homem a dizer “Eu sou tão bom quanto você”.

A primeira e mais óbvia vantagem é que vocês os induzem a entronizar no centro de sua vida uma boa mentira, sólida e retumbante. Não quero dizer apenas que sua afirmação é falsa, de fato, que eles não se equiparam a todos que conhece em bondade, honestidade e bom senso do que em altura ou medida da cintura. Quero dizer que nem eles acredita nisso. Ninguém que diz “eu sou tão bom quanto você” acredita e ele não diria se acreditasse.

O São Bernardo nunca diz isso para o cachorro de brinquedo, nem o estudioso para o burro, nem o empregado para o vagabundo, nem a mulher bonita para a de aparência mediana. A reivindicação de igualdade, fora do campo estritamente político, é feita apenas por aqueles que se sentem de alguma forma inferiores. O que ela expressa é precisamente a coceira, a consciência ardilosa e contorcida de uma inferioridade que o paciente se recusa a aceitar.

E, portanto, ele se sente ofendido. Sim, e, se ressente de todo tipo de superioridade nos outros; passa a caluniá-la; desejando sua aniquilação. Na verdade, ele suspeita que a mera diferença seja uma reivindicação de superioridade.

Ninguém deve ser diferente dele no tom de voz, roupas, maneiras, recreação, escolha de comida: “Aqui está alguém que fala inglês de forma mais clara e agradável do que eu. – deve ser uma afetação vil, ofensiva e lah-di-dah. Aqui está um sujeito que diz que não gosta de cachorro-quente – se considera bom demais para eles, sem dúvida. Aqui está um homem que não colocou uma moeda na jukebox – ele é um daqueles idiotas e está fazendo isso para se exibir. Se eles fossem o tipo certo de sujeito, seriam como eu. Eles não têm nenhum direito de ser diferente. É antidemocrático.”

Publicado por

The found daughter!

Brazilian woman, crazy about good music,nature and books =) I love to write since I remeber! My passion grows stronger as a walk through this crazy adventure with Jesus, my Lord and savior, redeemer and best friend! =)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s