The educational system: How it affects youth beliefs?!

Hey friends!

Today I decided to share this text, first because, C S Lewis is a brilliant and timeless author that I always admired and, second, his words have never been so present! It was written in 1946, but I can tell you: We are,definitely, living similiar days in our time!

If you are Christian, maybe struggling to provide a good education for your children or beloved ones; or if the matter of education is important to you for any other reason ( maybe you are a scholar), I highly recomend you to read this amazing masterpiece of this wise and unique author! Enjoy it.


During the war we turn with quickened interest from the newspaper accounts of the fighting to the report of any man who has just returned from taking part in it himself. The manuscript of this little book when it was first put into my hands gave me a similar excitement. Discussions on education and on religious education are admirable things; but here we have something different – a first-hand record of the results which the existing system is actually producing while we discuss. Its value is enhanced by the fact that the author is not a minister of education, nor a headmaster, nor a clergyman, nor even a professional teacher.

The facts he records are facts against which he ran his head unexpectedly, almost (you might say) accidentally, while doing aparticular war-time job.
There are, of course, other things beside this in the book. But I emphasize its purely documentary value because that seems to me to be far the most important thing about it – the thing on which public attention ought to be focused.

The abstracts of the author’s lectures – or rather openings of discussions – are indeed full of interest, and many will wish to comment on them. They are the part of the book which it is easiest to discuss. But I insist that to concentrate on that part is an evasion.
When every allowance has been made for the possibility (delightfully unsuspected by himself) that the author has unusual talents as a teacher, two facts still emerge from his record unshaken.

Firstly, that the content of, and the case for, Christianity, are not put before most
schoolboys under the present system; and secondly, that when they are so put a majorityfind them acceptable. The importance of these two facts is that between them they blow away a whole fog of “reasons for the decline of religion” which are often advanced and often believed.


If we had noticed that the young men of the present day found it harder and harder to get the right answers to sums, we should consider that this had been adequately explained the moment we discovered that schools had for some years ceased to teach arithmetic. After that discovery we should turn a deaf ear to people who offered explanations of a vaguer and larger kind – people who said that the influence of Einstein had sapped the ancestral belief in fixed numerical relations, or that gangster films had undermined the desire to get right answers, or that the evolution of consciousness was now entering on its post-arithmetical phase.

Where a clear and simple explanation completely covers the facts no other explanation is in court. If the younger generation have never been told what the Christians say and never heard any arguments in defence of it, then their agnosticism or indifference is fully explained. There is no need to look any further: no need to talk about the general intellectual climate of the age, the influence of mechanistic civilization on the character of urban life. And having discovered that the cause of their ignorance is lack of instruction, we have also discovered the remedy. There is nothing in the nature of the younger generation which incapacitates them for receiving Christianity. If any one is prepared to tell them, they are apparently ready to hear.


I allow, of course, that the explanation which our author has discovered merely puts the problem a generation further back. The young people today are un-Christian because their teachers have been either unwilling or unable to transmit Christianity to them. For the impotence or unbelief of their teachers, larger and, no doubt, vaguer explanations are to be sought. But that,be it noted, is a historical problem. The schoolmasters of today are, for the most part, the undergraduates of twenty years ago – the products of the “post-war” period.

It is the mental climate of the Twenties that now dominates the from room class. In other words, the sources of unbelief among young people today do not lie in those young people. The outlook which they have – until they are taught better – is a backwash from an earlier period.

It is nothing intrinsic to themselves which holds them back from the Faith.
This very obvious fact – that each generation is taught by an earlier generation – must be kept very firmly in mind. The beliefs which boys fresh from school now hold are largely the beliefs of the Twenties. The beliefs which boys from school will hold in the Sixties will be largely those of the undergraduates of today. The moment we forget this we begin to talk nonsense about education
.

We talk of the views of contemporary adolescence as if some peculiarity in contemporary adolescence had produced them out of itself. In reality, they are
usually a delayed result – for the mental world also has its time-bombs – of obsolete adolescence, now middle-aged and dominating its form room. Hence the futility of many schemes for education. None can give to another what he does not possess himself.

No generation can bequeath to its successor what it has not got. You may frame the syllabus as you please. But when you have planned and reported ad nauseam, if we are sceptical we shall teach only scepticism to our pupils, if fools only folly, if vulgar only vulgarity, if saints sanctity, if heroes heroism.

Education is only the most fully conscious of the channels whereby each generation influences the next. It is not a closed system. Nothing which was not in the teachers can flow from them into the pupils. We shall all admit that a man who knows no Greek himself cannot teach Greek to his form: but it is equally certain that a man whose mind was formed in a period of cynicism and disillusion, cannot teach hope or fortitude.

A society which is predominantly Christian will propagate Christianity through its schools: one which is not, will not. All the ministries of education in the world cannot alter this law. We have, in the long run, little either to hope or fear from government.

The State may take education more and more firmly under its wing. I do not doubt that by so doing it can foster conformity, perhaps even servility, up to a point; the power of the State to deliberalize a profession is undoubtedly very great. But all the teaching must still be done by concrete human individuals. The State has to use the men who exist. Nay, as long as we remain a democracy, it is men who give the State its powers. And over these men, until all freedom is extinguished, the free winds of opinion blow.

Their minds are formed by influences which government cannot control. And as they come to be, so will they teach. Let the abstract scheme of education be what it will: its actual operation will be what the men make it. No doubt, there will be in each generation of teachers a percentage, perhaps even a majority, of government tools. But I do not think it is they who will determine the actual character of the education.

The boy – and perhaps especially the English boy – has a sound instinct. The teaching of one true man will carry further and print deeper than that of a dozen white Babus. A minister of education (going back, unless I am mistaken, as far as Julian the Apostate for his precedent) may banish Christian clergy from the schools. But if the wind of opinion is blowing in the Christian direction, it will make no difference. It may even do us good; and the minister will have been unknowingly “the goddes boteler”.

We are often told that education is a key position. That is very false in one sense and very true in another. If it means that you can do any great thing by interfering with existing schools, altering curricula and the like, it is very false. As the teachers are, so they will teach.


Your “reform” may incommode and overwork them, but it will not radically alter the total effect of their teaching. Planning has no magic whereby it can elicit figs from thistles or choke-pears from vines. The rich, sappy, fruit-laden tree will bear sweetness and strength and spiritual health: the dry, prickly, withered tree will teach hate, jealousy, suspicion, and inferiority complex- whatever you tell it to teach.

They will do it unknowingly and all day long. But if we mean that to make adult Christians now and even beyond that circle, to spread the immediately sub-Christian perceptions and virtues, the rich Platonic or Virgilian penumbra of the Faith, and thus to alter the type who will be teachers in the future- if we mean that to do this is to perform the greatest of all services for our descendants, then it is very true.

So at least it seems to me: I do not know how far the author would agree with me. He has exposed the actual workings of modern education. To blame the schoolmasters of the last ten years for it would be ridiculous. The majority of them failed to hand on Christianity because they had it not: will you blame a eunuch because he gets no children or a stone because it yields no blood?

The minority, isolated in a hostile environment, have probably done all they could, have perhaps done wonders: but little was in their power. Our author has also shown that the ignorance and incredulity of the pupils are very often removable – their roots far shallower than we had feared. I do not draw from this moral that it is now our business to “get our teeth into the schools”. For one thing, I do not think we shall be allowed to. It is unlikely that in the next forty years England will have a government which would encourage or even tolerate any radically Christian elements in its State system of education.

Where the tide flows towards increasing State control, Christianity, with its claims in one way personal and in the other way ecumenical and both ways antithetical to omnicompetent government, must always in fact (though not for a long time yet in words) be treated as an enemy. Like learning, like the family, like any ancient and liberal profession, like the common law, it gives the individual a standing ground against the State. Hence Rousseau, the father of the totalitarians, said wisely enough, from his own point of view, of Christianity, “Je ne connais rien de plus contraire à l‟esprit social.” (I don’t know anything more contrary to the social spirit.)

In the second place, even if we were permitted to force a Christian curriculum on the existing schools with the existing teachers we should only be making masters hypocrites and hardening thereby the pupils‟ hearts.
I am speaking, of course, of large schools on which a secular character is already stamped. If any man, in some little corner out of the reach of the omnicompetent, can make, or preserve a really Christian school, that is another matter. His duty is plain.


I do not, therefore, think that our hope of re-baptizing England lies in trying to “get at” the schools. Education is not in that sense a key position. To convert one‟s adult neighbour and one‟s adolescent neighbour (just free from school) is the practical thing. The cadet, the undergraduate, the young worker in the C.W.U. are obvious targets: but any one and every one is a target. If you make the adults of today Christian, the children of tomorrow will receive a Christian education.

What a society has, that, be sure, and nothing else, it will hand on to its young. The work is urgent, for men perish around us. But there is no need to be uneasy about the ultimate event. As long as Christians have children and non-Christians do not, one need have no anxiety for the next century.

Those who worship the Life-Force do not do much about transmitting it: those whose hopes are all based on the terrestrial future do not entrust much to it. If these processes continue, the final issue can hardly be in doubt.


These, you must remember, are merely my own reflections. To other readers this book will doubtless suggest very different reflections. But all of us, whatever our party, need to know the facts. Here they stand; and stated, if I mistake not, with that freshness and attraction which always come to a plain man who has something to tell and is thinking of his story, not himself.”

(*This text is a preface written by C. S. Lewis for the book “How heathen is Britain?” by B. G. SANDHURST)

******************************************************************** A QUESTÃO DA EDUCAÇÃO E SUAS REFORMAS- (Ou ainda “A transmissão do cristianismo” -Texto de C S Lewis)

Olá pessoal!

Este texto que vou compartilhar hoje, foi escrito pelo grande e atemporal escritor C S Lewis (Originalmente, como prefácio do livro “How heathen is Britain?” de Sanherst, mas também presente na obra “Deus no banco dos réus”)

Eu decide compartilhar esse trecho, a título de conhecimento, porque nunca li algo tão atual e pertinente pros nossos dias!

Seja você cristão, lidando com os dilemas diários da educação dos seus filhos ou de entes queridos, ou alguém que se interessa pela questão do papel da educação na sociedade- reformas, limitações-e o papel do Estado (talvez um professor ou estudioso), recomendo que você leia esse texto brilhante!


Em tempos de guerra, nos voltamos com acelerado interesse dos relatos de jornais sobre os conflitos, para a reportagem de qualquer homem que acabou de voltar de lá. O manuscrito deste livrinho, quando foi colocado pela primeira vez em minhas mãos, me deu um entusiasmo semelhante: discussões sobre educação e educação religiosa são coisas admiráveis, mas aqui temos algo diferente – um registro em primeira mão dos resultados que o sistema existente está realmente produzindo enquanto discutimos.

O valor é aumentado pelo fato de o autor não ser ministro da Educação, nem diretor, nem clérigo, nem mesmo professor profissional.Os fatos que ele registra são fatos contra os quais ele se deparou inesperadamente, quase (você poderia dizer) acidentalmente, enquanto trabalhava durante a guerra.
Há, obviamente, outras coisas além disso no livro. Mas enfatizo seu valor puramente documental, porque isso me parece ser a coisa mais importante a respeito – a coisa em qual atenção do público deve ser focada.

Os resumos das palestras do autor – ou melhor, as aberturas de discussões – são de fato cheios de interesse, e muitos desejam comentar sobre eles. Eles são a parte do livro que é mais fácil discutir. Mas insisto que concentrar-se nessa parte é uma evasão da questão central. Além de todos os indícios de que o autor tenha talentos incomuns como professor, dois fatos ainda emergem de seu registro, inabaláveis.

Em primeiro lugar, que o conteúdo do cristianismo e os argumentos a seu favor, não são apresentados à maioria dos estudantes do sistema atual; e segundo, que quando o são, a maioria os considera aceitáveis. A importância desses dois fatos é que, entre eles, eles sopram uma névoa inteira de “razões para o declínio da religião”, que muitas vezes são propagadas e levadas a sério.


Se por exemplo, percebêssemos que os jovens de hoje estão com cada vez mais dificuldade de obter as respostas certas nos cálculos, deveríamos considerar que isso foi explicado adequadamente no momento em que descobríssemos que as escolas haviam deixado de ensinar aritmética, há alguns anos atrás.

Após essa descoberta, ignoraríamos as pessoas que oferecessem explicações de um tipo mais vago e amplo – pessoas que dissessem que a influência de Einstein minou a crença ancestral em relações numéricas fixas ou que os filmes de gângster minaram o desejo de se acertar respostas, ou que a evolução da consciência estava agora entrando em sua fase pós-aritmética.

Onde uma explicação clara e simples cobre completamente os fatos, nenhuma outra explicação é levada em conta. Se a geração mais jovem nunca foi informada do que os cristãos dizem e nunca ouviu nenhum argumento em defesa dela, então seu agnosticismo ou indiferença são totalmente explicados.

Não há necessidade de procurar mais: não há necessidade de falar sobre o clima intelectual geral da época, a influência da civilização mecanicista no caráter da vida urbana. E, tendo descoberto que a causa de sua ignorância é a falta de instrução, também descobrimos o remédio. Não há nada na natureza da geração mais jovem que os incapacite para receber o cristianismo. Se alguém está preparado para contar, ela parece estar pronta para ouvir.


Eu admito, é claro, que a explicação que nosso autor fornece, apenas joga o problema para a geração anterior. Os jovens de hoje são anticristãos porque seus professores não estavam dispostos ou eram incapazes de transmitir o cristianismo a eles. Para a impotência ou descrença de seus professores, devem ser buscadas explicações maiores e, sem dúvida, mais amplas. Mas isso, é um problema histórico. Os professores de hoje são, em grande parte, os estudantes de graduação de vinte anos atrás – os produtos do período “pós-guerra”.

É o clima mental dos anos 20 que agora domina a sala de aula. Em outras palavras, as fontes de descrença entre os jovens de hoje não se encontram nesses jovens. A perspectiva que eles têm – até que sejam ensinados melhor – é um efeito colateral de um período anterior.Aquilo que os impede de ter Fé, não é nada intrínseco a eles mesmos.


Este fato muito óbvio – que cada geração é ensinada por uma geração anterior – deve ser mantido com muita firmeza em mente. As crenças que os rapazes recém-saídos da escola têm agora, são em grande parte as crenças dos anos 20. As crenças que os garotos da escola terão nos anos sessenta, serão em grande parte as dos estudantes de graduação de hoje. No momento em que nos esquecemos disso, começamos a falar bobagens sobre educação.

Falamos dos pontos de vista da adolescência contemporânea como se alguma peculiaridade da adolescência contemporânea as tivesse produzido por conta própria. Na realidade, eles geralmente são um resultado posterior – pois o mundo mental também tem suas bombas-relógio – da adolescência obsoleta, agora de meia-idade, que domina a sala de aula. Daí a futilidade de muitos esquemas de educação. Ninguém pode dar a outro o que não possui.

Nenhuma geração pode legar ao seu sucessor o que não tem. Podemos fazer a ementa que desejarmos, mas mesmo tendo planejado e preparado “ad nauseam”, se formos céticos, ensinaremos apenas ceticismo a nossos alunos; se tolos, apenas tolices, se formos vulgares, apenas vulgaridade, se formos santos, santidade; se heróis, heroísmo.

A educação é apenas o mais consciente dos canais pelos quais cada geração influencia a próxima. Não é um sistema fechado. Nada que não estivesse nos professores pode fluir deles para os alunos. Todos devemos admitir que um homem que não conhece o grego,não pode ensinar o grego em sala de aula: Mas é igualmente certo que um homem cuja mente foi formada em um período de cinismo e desilusão, não pode ensinar esperança ou bravura.

Uma sociedade predominantemente cristã propagará o cristianismo através de suas escolas: uma sociedade que não é, não o fará. Todos os ministérios da educação do mundo não podem alterar esta lei. A longo prazo, temos pouco a esperar ou temer do governo.


O Estado pode levar a educação cada vez mais com firmeza. Não duvido que, ao fazê-lo, possa promover a conformidade, talvez até a servilidade, até certo ponto; o poder do Estado de despir o caráter liberal de uma profissão é sem dúvida muito grande. Mas todo o ensino ainda deve ser realizado por indivíduos humanos. O Estado tem que usar os homens que existem. Mais do que isso, enquanto permanecermos uma democracia, são os homens que dão ao Estado seus poderes. E sobre esses homens, até que toda a liberdade seja extinta, sopram os ventos livres da opinião.

Suas mentes são formadas por influências que o governo não pode controlar. E como eles vierem a ser, eles também ensinarão. Deixe o esquema abstrato da educação ser o que quiser: sua operação real será o que os homens fizerem dele. Sem dúvida, em cada geração de professores haverá uma porcentagem, talvez até a maioria, de ferramentas governamentais. Mas não creio que sejam eles quem determinará o caráter real da educação.

O garoto – e talvez especialmente o garoto inglês – tem um instinto sólido. O ensino de um homem verdadeiro vai além e imprime mais fundo do que o de uma dúzia de “Babus brancos”. Um ministro da educação (remetendo, a menos que eu esteja enganado, ao precedente de Juliano, o apóstata), pode até banir os religiosos cristãos das escolas. Mas se o vento da opinião estiver soprando na direção cristã, não fará diferença. Pode até nos fazer bem; e o ministro terá sido, inconscientemente, “o copeiro do divino”.


Frequentemente nos dizem que a educação tem uma posição fundamental. Isso é muito falso em um sentido e muito verdadeiro em outro. Se significa que você pode fazer grandes coisas interferindo nas escolas existentes, alterando currículos e similares, é muito falso. Como os professores são, eles também ensinarão.


Sua “reforma” pode incomodá-los e sobrecarregá-los, mas isso não altera radicalmente o efeito total do ensino deles. O planejamento não tem mágica, pelo qual pode extrair figos de cardos ou pêras de videiras. A árvore farta,vigorosa e carregada de frutas terá doçura, força e saúde espiritual: a árvore seca, espinhosa e murcha ensinará complexo de ódio, ciúme, suspeita e inferioridade – seja lá o que você pedir que ela ensine.

Eles farão isso sem saber e durante todo o dia. No entanto, caso a afirmação signifique formar cristãos adultos agora, mesmo além desse círculo, a fim de espalhar as percepções e virtudes imediatamente cristãs, a rica penumbra platônica ou virgiliana da Fé, e assim alterar o tipo de professores que atuarão no futuro – se queremos dizer que fazer isso é prestar o melhor de todos os serviços para nossos descendentes, então a declaração é verdadeira.


Ao menos, é assim que me parece: Não sei até que ponto o autor concordaria comigo. Ele expôs o funcionamento real da educação moderna. Culpar os professores dos últimos dez anos por isso seria ridículo. A maioria deles falhou em transmitir o cristianismo porque não o tinha: Você culparia um eunuco por ele não ter filhos ou uma pedra porque não sangra?

A minoria, isolada em um ambiente hostil, provavelmente fez tudo o que pôde, talvez tenha feito maravilhas: mas pouco estava em seu poder. Nosso autor também mostrou que a ignorância e a incredulidade dos alunos são muitas vezes removíveis – suas raízes muito mais rasas do que temíamos. Não retiro dessa moral que agora é nosso dever “alvejar as escolas”. Primeiro, porque não acho que deveríamos. É improvável que, nos próximos quarenta anos, a Inglaterra tenha um governo que encoraje ou até tolere quaisquer elementos radicalmente cristãos em seu sistema estadual de educação.

Onde a maré flui em direção ao aumento do controle do Estado, o cristianismo, com suas reivindicações, de um lado pessoal e de outro, universal e,de ambos os lados antitética ao governo onicompetente, deve sempre ser de fato (embora não, por um bom tempo ainda, de forma declarada) tratado como um inimigo. Tal como a aprendizagem, como a família, como qualquer profissão antiga e liberal, como a lei comum, dá ao indivíduo uma posição firme contra o Estado. Por isso, Rousseau, o pai dos totalitários, disse com sabedoria, do seu próprio ponto de vista, sobre o cristianismo: “Je ne connais rien de mais contraire ao l esprit social.” (“Desconheço algo mais contrário ao espírito social”.)

Em segundo lugar, mesmo se tivéssemos permissão de forçar um currículo cristão nas escolas existentes com os professores existentes, só tornaríamos os mestres hipócritas e endureceríamos assim o coração dos alunos.
Estou falando, é claro, de grandes escolas nas quais um caráter secular já está estampado. Se alguém, em algum canto fora do alcance do onicompetente, pode criar ou preservar uma escola realmente cristã, isso é outra questão. Seu dever é simples.


Portanto, não acho que nossa esperança de rebatizar a Inglaterra esteja na tentativa de “chegar” às escolas. A educação não é, nesse sentido, uma posição-chave. Converter o próximo,tanto adulto quanto o adolescente (recém saído da escola) é a coisa mais prática. O cadete, o universitário, o jovem trabalhador na C.W.U. são alvos óbvios: Mas todo mundo é um alvo. Se você tornar os adultos de hoje cristãos, os filhos de amanhã receberão uma educação cristã.

Aquilo que uma sociedade tem é o que, com certeza -e nada mais- será transmitido aos jovens. O trabalho é urgente, pois os homens perecem à nossa volta. Mas não há necessidade de ficar desconfortável com o evento final. Enquanto os cristãos tiverem filhos e os não-cristãos não, será desnecessário ter ansiedade em relação ao próximo século.

Aqueles que adoram a Força da Vida não fazem muito para transmiti-la: aqueles cujas esperanças são todas baseadas no futuro terrestre não confiam muitas coisas a ele. Se esses processos continuarem, dificilmente a situação final estará incerta.

Estas, você deve se lembrar, são apenas minhas próprias reflexões. Para outros leitores, este livro, sem dúvida, sugere reflexões muito diferentes. Mas todos nós, seja qual for a nosso partido, precisamos conhecer os fatos. Aqui estão eles; e afirmo, se não me engano, com aquela frescura e atração que sempre chegam a um homem comum que tem algo a contar e está pensando em sua história, não em si mesmo.” C. S. LEWIS

Publicado por

The found daughter!

Brazilian woman, crazy about good music,nature and books =) I love to write since I remeber! My passion grows stronger as a walk through this crazy adventure with Jesus, my Lord and savior, redeemer and best friend! =)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s